Ciclo 40 -“Pô, amar é importante”

Escrito por em 21 fev 2011 | .

“Pô, amar é importante” *
* Música de Arrigo Barnabé/Heremelino Neder

Nós também temos coração!
Para contrariar aqueles que pensam que os Beloucos só assistem filmes-cabeça obscuros , resolvemos chutar o balde e passar de uma só vez quatro filmes de amor comme il fault – arrebatado, lacrimoso, épico, impossível , o amor-que-move-o-sol-e-as-outras-estrelas.

Ninguém sairá ileso. Lenços de papel serão fartamente distribuídos e consumidos durante as sessões. Se você, monstro insensível, não chorar nem um pouquinho (não vale aquela história manjada do cisco no olho), devolveremos o seu ingresso gratuito.

ROMEU E JULIETA (Romeo and Juliet) – 1968 – 138 min – EUA
Direção: Franco Zeffirelli
12 anos
Dia 01/03/2011– terça-feira – 20 horas
Sala Dilo Gianelli
Theatro Municipal

E para começar, Romeu e Julieta, uma das mais populares adaptações feitas para o cinema de uma das maiores obras do dramaturgo inglês William Shakespeare (1564-1616). O diretor italiano Franco Zefirelli acertou em cheio, ao escalar dois atores desconhecidos para viverem o amor impossível de Romeu e Julieta e pela inesquecível trilha sonora composta por Nino Rota.

O filme conta a historia de duas famílias de Verona, os Montéquios e os Capuletos, que se odeiam. O jovem Romeu Montéquio (Leonard Whiting) entra numa festa dos Capuletos e, lá, conhece Julieta (Olivia Hussey), a filha da família rival, por quem se apaixona. O amor entre os dois, no entanto, jamais será permitido pelas famílias.

Em 1969 ganhou o Oscar de melhor fotografia e de melhor figurino entre outros 13 prêmios e nomeações.

08-03-11 Carnaval

A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER (Unbearable Lightness of Being) -1988 – 171 min – EUA
Direção: Philip Kaufman
12 anos
Dia 15/03/2011– terça-feira – 20 horas
Sala Dilo Gianelli
Theatro Municipal

15-03-11

A Insustentável Leveza do Ser, do diretor e roteirista americano Philip Kaufman, é baseado no romance homônimo do escritor theco Milan Kundera, que também foi roteirista do filme que recebeu 2 indicações ao Oscar e reconhecimento mundial, e é a única adaptação cinematográfica de seus romances.

Conta a historia de Tomas (Daniel Day-Lewis), um médico totalmente apolítico, que vive nos anos 60 em Praga, Tchecoslováquia e tem como hobby ter diversas parceiras sexuais, mas evitando sempre um maior envolvimento. Mas duas mulheres: Sabina (Lena Olin), uma artista plástica, e Tereza (Juliette Binoche), uma garçonete que sonha em ser fotógrafa, vão estar muito presentes na vida dele. Mas ao serem atingidos pelos acontecimentos de 1968, conhecido como “A Primavera de Praga”, quando tanques soviéticos invadiram a capital tcheca para pôr fim a uma série de protestos, a vida deste triângulo amoroso é afetada, pois seus sonhos foram destruídos e suas vidas mudariam para sempre.

Em 1989, recebeu indicações para o Oscar de Melhor Fotografia e Melhor Roteiro Adaptado, e indicações para o Globo de Ouro na categoria de Melhor Filme – Drama e Melhor Atriz Coadjuvante para Lena Olin e ganhou o prêmio de melhor fotografia no Independent Spirit Awards.

APENAS UMA VEZ (Once) – 2006 – 85 min – Irlanda
Direção: John Carney
12 anos
Dia 22/03/2011– terça-feira – 20 horas
Sala Dilo Gianelli
Theatro Municipal

Apenas uma vez foi escrito e dirigido pelo cineasta irlandês John Carney . Rodado em Dublin na Irlanda, em apenas 3 semanas e com um orçamento baixo, o drama musical é estrelado pelos músicos Glen Hansard (da popular banda de rock irlandesa The Frames) e Markéta Irglová (compositora e instrumentista nascida na República Checa). Hansard e Irglová compuseram e executaram todas (exceto uma) as canções originais do filme que foi um sucesso de bilheteria nos Estados Unidos
O filme conta a história de um músico de rua de Dublin (Glen Hansard), que sente-se inseguro para apresentar suas próprias canções. Um dia ele encontra uma jovem mãe (Markéta Inglová), que tenta ainda se encontrar na cidade. Logo eles se aproximam e, ao reconhecer o talento um do outro, começam a ajudar-se mutuamente para que seus sonhos se tornem realidade.

Em 2008 ganhou o Oscar de Melhor Canção Original (“Falling Slowly”) e o Independent Spirit Awards de Melhor Filme Estrangeiro.
Ganhou o Prêmio do Público, no Sundance Film Festival e recebeu 2 indicações ao Grammy, nas categorias de Melhor Trilha Sonora – Cinema/TV/Outras Mídias e Melhor Canção Original – Cinema/TV/Outras Mídias (“Falling Slowly”).


29-03-11 Doutor Jivago (Doctor Zhivago) – 1965 – David Lean – 197 min – EUA

ninguém comentou até agora

comentários não estão habilitados.